Nota de repúdio ao jornalista Antônio Giron relativo a reportagem:”Dê adeus ás bibliotecas”publicada revista Época.

16 05 2012

Sr. Luis Antonio,

Sou acadêmico de Biblioteconomia e venho através deste relatar minha nota de repúdio referente à sua matéria sobre a classe bibliotecária e a função das Bibliotecas públicas no nosso país (Dê adeus ás bibliotecas, – http://revistaepoca.globo.com/cultura/luis-antonio-giron/noticia/2012/05/de-adeus-bibliotecas.html)  quando afirma que a classe é caracterizada por uma “descortesia típica”, no meu entendimento o senhor não deveria generalizar, pois não são todos que agem da mesma forma, muitos profissionais, apesar da grande desvalorização, quando se trata em educação, e poucas políticas públicas existentes em relação a leitura no nosso país, buscam cumprir sua missão através das palavras do juramento da profissão: “Prometo tudo fazer para preservar o cunho liberal e humanista da profissão de Bibliotecário, fundamentado na liberdade de investigação científica e na dignidade da pessoa humana”.
Juramento esse que serve para nortear e lembrar o bibliotecário da sua importância e missão diante das dificuldades encontradas no seu percurso profissional.
Desconheço os motivos pelos os quais a biliotecária o tratou dessa forma, ou não permitiu o seu acesso a uma parte especifica do acervo, assim como sei que desconhece a verdadeira missão e função da classe bibliotecária.
Trabalhar em uma Biblioteca Pública e conseguir que ela cumpra seu objetivo para a sociedade  é um grande desafio, por falta de investimentos, manutenções, atualizações de acervos, dentre outras coisas que são necessárias para o funcionamento de um Orgão. E o que o bibliotecário pode fazer  diante desse grande desafio? ultilizar as poucas ferramentas e incentivos que possui para realizar o seu trabalho. Alguns estão saturados diante a esse descaso, mas claro que não justifica, é um fato que acontece em todas as profissões.
Se fosse fazer a mesma avaliação de todas as profissões e lugares em que não percebi uma ética profissional, certamente estaria frustado! Muitos hospitais que possuem pessimas infraestruturas, inábitaveis para qualquer ser humano, péssimo atendimento, onde os médicos se quer se importam realmente com o problema do paciente e ficam aliviados ao ver os mesmos irem embora independente do seu estado, contribuindo para o caos da saúde – ao me deparar com isso não julgo toda classe da saúde, mas acredito que outros lugares possuem outros profissionais  que fazem por amor. Profissionais de comunicação que manipulam as informações privando os cidadões daquilo que realmente devem saber e colocando seus pontos de vista como realidade incontestável. Dentre vários outros exemplos, que poderia passar o dia citando, mas que não valeria a pena, pois em todas as profissões sempre tem aqueles que trabalhem por amor e gostam daquilo que fazem.
E sobre as prefeituras desejarem pelo fechamento das bibliotecas, na minha concepção a justificativa não seria essa, e sim que um lugar onde se ensina e disponibiliza ferramentas para educar e politizar um povo não é bem vindo, pois serve como ameaça e quebra de alienações existentes.
A Bibliotecas poderão, sim, utilizar os meios da internet para a disseminação da informação, mas não irão substituí-las, tenho essa certeza ao lembrar do papel da Biblioteca Publica em um dos municípios do Maranhão que tive a oportunidade de trabalhar, pois era nesse lugar, às vezes escuro, úmido, um pouco desconfortável, onde o computador era apenas um sonho distante, mas lá  tudo era esquecido ao atender familias de pescadores que moravam perto do local, era na Biblioteca que todos tinham acesso à informação, através de rodas de leituras, dentre outras atividades e materiais que se não fosse a mesma aqueles usuários não teriam acesso.
Dessa forma, encerro a minha fala ao dizer que, para sua tristeza, as Bibliotecas servem para muitas pessoas. Não tenha seu padrão de vida como realidade universal, muitas pessoas na sociedade só possuem o acesso a informação porque bem próximo delas existem Bibliotecas que – apesar dos pesares – cumprem sua missão.

Att,

Edilson Reis

Anúncios




All Star – Nando Reis

15 05 2012




O que é certo nos dias de hoje?

15 05 2012

Vivemos em uma sociedade q com tanta quebra de valores às vezes ficamos em duvida sobre o que realmente está certo, já que os valores ensinados pelos nossos pais desde crianças são colocados como errado, e o errado estar tornando-se o certo.
A honestidade, respeito e outras características foram trocadas pela “esperteza” de passar o outro para trás.
Os jornais se tornaram grandes depósitos de noticias ruins, na qual as únicas coisas que mudam são os personagens, a quantidade de dinheiro gasto e como foi gastado esse dinheiro, na qual servem para nos indignar e criar frustações, sendo q depois de uma ou duas semanas nenhuma mídia comunica mas nada, e como ficamos? E as pessoas q foram envolvidas com a corrupção? Foram presas? Estão imunes? Quem sabe?
Depois de dar o choque as informações somem como fumaça no ar.
E aí resta-nos a indignação, e a duvida que não deveria existir: os valores mudaram?
Lembro-me de uma dessas reportagens que saíram na mídia a pouco tempo, do escândalo da corrupção de empresas em relação a licitação, e algo ficou gravado em minha mente, quando uma senhora envolvida no esquema disse” O que estamos fazendo é certo, claro! é a ética do sistema”, ela falou com tanta convicção e sorriso nos lábios sobre o quanto isso estaria certo que chegamos até duvidar se realmente é!
Se os hipócritas não têm vergonha de anunciar e declamar sobre o errado, nos que acreditamos nos valores dos seres humanos não podemos simplesmente “cochichar” sobre o que é estar certo, devemos repudiar tudo aquilo que vá d contra com a ética e a moral de um povo que têm esperança de viver em uma sociedade igualitária, onde as diferenças gerem o aprendizado e não a exclusão, onde os representantes públicos representem de fato a sociedade e não apenas os seus interesses particulares. Para encerrar gostaria de compartilhar um texto na qual se encaixa perfeitamente sobre o que estou falando, chamado só de sacanagem declamado por Ana Carolina:


Meu coração está aos pulos!
Quantas vezes minha esperança será posta à prova?
Por quantas provas terá ela que passar?
Tudo isso que está aí no ar, malas, cuecas que voam
entupidas de dinheiro, do meu dinheiro, que reservo
duramente para educar os meninos mais pobres que eu,
para cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus
pais, esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e
eu não posso mais.
Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança
vai ser posta à prova? Quantas vezes minha esperança
vai esperar no cais?
É certo que tempos difíceis existem para aperfeiçoar o
aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus
brasileiros venha quebrar no nosso nariz.
Meu coração está no escuro, a luz é simples, regada ao
conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e
dos justos que os precederam: “Não roubarás”, “Devolva
o lápis do coleguinha”,
” Esse apontador não é seu, minha filhinha”.
Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido
que escutar.
Até habeas corpus preventivo, coisa da qual nunc
tinha visto falar e sobre a qual minha pobre lógica
ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao
culpado interessará.
Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do
meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear:
mais honesta ainda vou ficar.
Só de sacanagem!
Dirão: “Deixa de ser boba, desde Cabral que aqui todo
o mundo rouba” e eu vou dizer: Não importa, será esse
o meu carnaval, vou confiar mais e outra vez. Eu, meu
irmão, meu filho e meus amigos, vamos pagar limpo a
quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês.
Com o tempo a gente consegue ser livre, ético e o
escambau.
Dirão: “É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, desde
o primeiro homem que veio de Portugal”.
Eu direi: Não admito, minha esperança é imortal.
Eu repito, ouviram? IMORTAL!
Sei que não dá para mudar o começo mas, se a gente
quiser, vai dá para mudar o final!

E a musica que ela canta depois de recitar esse texto tem tudo  haver com o que vivemos:

Edilson Reis





10ª Semana Nacional de Museus

14 05 2012

Imagem

São Luís – “Museus em um mundo em transformações – novos desafios, novas inspirações” é o tema da 10ª Semana Nacional de Museus, que acontece entre os dias 14 e 18 de maio de 2012, no Palácio Cristo Rei, localizado no Centro da capital, em celebração ao Dia Internacional do Museu. Este ano, o evento conta com uma vasta programação que inclui seminários, exposições, oficinas, espetáculos musicais, de teatro e de dança, mesas-redondas, visitas guiadas e exibição de filmes.
A 10ª Semana Nacional de Museus é uma iniciativa do Conselho Internacional de Museologia (ICOM) que é realizada sob a coordenação do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), em parceria com o Ministério da Cultura e, comemoração ao Dia Internacional dos Museus, celebrado no dia 18 de maio. Mais informações no Palácio Cristo Rei.
Confira a programação!

MANHÃ:

09h – Solenidade de Abertura

O9h20 – Palestra “Os Museus e as Novas Tecnologias da Informação: entraves e desafios” – Prof. Dr. César Augusto Castro – Diretor do Centro de Ciências Sociais e Professor do Departamento de Biblioteconomia da UFMA;

09h40 – Apresentação do Novo Site do Palácio Cristo Rei – Fabiano Penha Barbosa – Técnico do Núcleo de Tecnologia da Informação – NTI/UFMA;

09h50 às 10h30 – Visita à Exposição dos Recursos Tecnológicos Utilizados pelo Memorial Cristo Rei – Mirante
10h30 – Debate
12h – Encerramento

TARDE:
14h às 17h – Visita dos Convidados do Grupo 1: GRUPO DA ESCOLA DA COOPERATIVA EDUCACIONAL CULTURA ESPORTIVA E DE LAZER – PROFª. ZULEIDE TEIXEIRA PEREIRA e OFICINA: “MUSEUS E FOTOGRAFIA: VIVENCIANDO A TECNOLOGIA ATRAVÉS DO OLHAR”

17h às 18h – Visita a Exposição dos Recursos Tecnológicos Utilizados pelo Memorial Cristo Rei – Mirante

Dia 15 de maio de 2012 – (terça-feira)

MANHÃ:
08h às 11h – Visita dos Convidados do Grupo 2: ALUNOS DO COLÉGIO UNIVERSITÁRIO e OFICINA: “MUSEU E FOTOGRAFIA: VIVENCIANDO A TECNOLOGIA ATRAVÉS DO OLHAR”.
11h às 12h – Visita à Exposição dos Recursos Tecnológicos Utilizados pelo Memorial Cristo Rei – Mirante

TARDE:
15h – Apresentação de Trabalho (Comunicação Oral)
Autora: Anacleta Cordeiro dos Santos / Cintia Régia Machado Teles (Estudantes do Curso de Artes Visuais / UFMA)
Título: “A CONTRIBUIÇÃO DO CENTRO DE PESQUISA DE HISTÓRIA NATURAL E ARQUEOLOGIA DO MARANHÃO PARA A EDUCAÇÃO: mediação de ensino e aprendizagem entre o aluno e o acervo de arte indígena maranhense”.

15h20 – Apresentação de trabalho (Comunicação Oral)
Autor: Carlos Wellington Soares Martins (Bibliotecário – UFMA e Mestrando em Desenvolvimento Socioespacial e Regional – UEMA)
Título: “O PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL E OS MUSEUS NA CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES”.

15h40 – Intervalo, seguido de Visita à Exposição dos Recursos Tecnológicos Utilizados pelo Memorial Cristo Rei – ante Sala do Reitor e oferecimento de um lanche.

16h10 – Apresentação de trabalho (Comunicação Oral)
Autora: Monique de Oliveira Serra (Graduada em Turismo/UFMA e Mestranda em Educação / UFMA)
Título: “MUSEUS DE CULTURA POPULAR E EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL: novos desafios frente à crise de paradigmas”

16h30 – Apresentação de trabalho (Comunicação Oral)
Autora: Joyce Oliveira Pereira (Estudante do Curso de História Licenciatura / UFMA)
Título: “O DIFUSOR DO DISCURSO: o Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho”

16h50 – Apresentação de pôster
Autora: Ana Paula dos Santos (Especialista em Inovação Pedagógica / Professora do Centro de Ensino Liceu Maranhense
Título: “A IMPORTÂNCIA DO MUSEU ENQUANTO ESPAÇO PRIVILEGIADO DE RECONSTRUÇÃO DA HISTÓRIA: o espaço doméstico e familiar do Maranhão no período da Monarquia-República no Museu Histórico e Artístico do Maranhão a partir do olhar dos alunos do Liceu Maranhense – 2º. Ano”

17h às 18h – Intervenção Cultural

Dia 16 de maio de 2012 – (quarta-feira):

MANHÃ:
09h – Apresentação de trabalho (Comunicação Oral)
Autora: Débora Adriano Sampaio (Graduada em Biblioteconomia / Profª Mestra em Ciência da Informação / Profª Assistente da UFCE)
Autora: Alla Moanna Cordeiro de Souza (Estudante do Curso de Biblioteconomia da UFCE)
Título: “ENTRE PASSADO, PRESENTE E FUTURO: preservando a memória fotográfica sobre a Cidade de Juazeiro do Norte – Ceará”

09h20 – Apresentação de trabalho (Comunicação Oral)
Autor: Jean Rousseau da Silva Lira (Estudante do Curso de Turismo da UFMA)
Título: “SÍTIO DO PIRANHENGA: Patrimônio Histórico Perdido na Ilha de São Luís”

09h40 – Intervalo, seguido da Visita à Exposição dos Recursos Tecnológicos Utilizados pelo Memorial Cristo Rei – ante Sala do Reitor e oferecimento de um lanche;

10h10 – Apresentação de trabalho (Comunicação Oral);
Autor: Tássio Adrian Carranza Gutierrez Fernandes (Estudante do Curso de Turismo / Faculdade São Luís – Guia do Palácio dos Leões)
Título: “PALÁCIO DOS LEÕES: uma porta para a descoberta do Maranhão”

10h30 – Apresentação de trabalho (Comunicação Oral)
Autora: Ana Paula dos Santos (Especialista em Inovação Pedagógica / Professora do Centro de Ensino Liceu Maranhense)
Título: “A IMPORTÃNCIA DO MUSEU ENQUANTO ESPAÇO PRIVILEGIADO DE RECONSTRUÇÃO DA HISTÓRIA: o espaço doméstico e familiar do Maranhão no período da Monarquia-República no Museu Histórico e Artístico do Maranhão a partir do olhar dos alunos do Liceu Maranhense – 2º. Ano”

10h50 – Apresentação de pôster
Autor: Glaucia Regina Gualberto Rodrigues / Mayra Marcelle Carvalho de Sousa dos Santos (Estudantes do Curso de Turismo / UFMA)
Título: “MUSEU HISTÓRICO E ARTÍSTICO DO MARANHÃO (MHAM): enquanto equipamento de valorização cultural dos moradores da Cidade de São Luís – MA”

12h – Encerramento.

TARDE:

14h às 17h – Visita dos Convidados do Grupo 3: FUNCIONÁRIOS DA EMPRESA SERVISAN DO PALÁCIO CRISTO REI/FLANELINHAS E VENDEDORES INFORMAIS DO ENTORNO DO PALÁCIO CRISTO REI e OFICINA: “MUSEU E FOTOGRAFIA: VIVENCIANDO A TECNOLOGIA ATRAVÉS DO OLHAR.”

17h às 18h – Visita à Exposição dos Recursos Tecnológicos Utilizados pelo Memorial Cristo Rei – Mirante

Dia 17 de maio de 2012 – (quinta-feira)

MANHÃ:
08h às 11h – Visita dos Convidados do Grupo 4: ALUNOS DA ESCOLA MODELO e OFICINA: “MUSEU E FOTOGRAFIA: VIVENCIANDO A TECNOLOGIA ATRAVÉS DO OLHAR”.
11h às 12h – Visita à Exposição dos Recursos Tecnológicos Utilizados pelo Memorial Cristo Rei – Mirante

TARDE:
15h – Lançamento do livreto da Gestão do Reitor Manoel Soares Estrela

15h20 – Lançamento do Novo Folder do Palácio Cristo Rei

15h40 – Visita à Exposição dos Recursos Tecnológicos Utilizados pelo Memorial Cristo Rei – Mirante

17h às 18h – Sarau do Rei: “Poesia vivendo os 400 anos de São Luís” – Grupo de Poesia da UEMA, Perfomance com a Artista Letícia Raquel e o Músico Lucas Parreão – Terraço Reitoral

Dia 18 de maio de 2012 – (sexta-feira)

MANHÃ:
08h às 11h – Visita dos Convidados do Grupo 5: ALUNOS DO COLÉGIO LICEU MARANHENSE e OFICINA: “MUSEU E FOTOGRAFIA: VIVENCIANDO A TECNOLOGIA ATRAVÉS DO OLHAR”

11h às 12h – Visita à Exposição dos Recursos Tecnológicos Utilizados pelo Memorial Cristo Rei – ante Sala do Reitor e Apresentação de Canto Lírico – por Manoel Monte Negro, Ex Informante Anfitrião

TARDE:
14h às 17h – Visita dos Convidados do Grupo 6: ALUNOS DO GRUPO DE IDOSOS DE ALTIVA e OFICINA: “MUSEU E FOTOGRAFIA: VIVENCIANDO A TECNOLOGIA ATRAVÉS DO OLHAR”.

17h às 18h – Visita à Exposição dos Recursos Tecnológicos Utilizados pelo Memorial Cristo Rei – Mirante, seguida da Apresentação do Projeto “Recital no Palácio” (em parceria com a Professora Angélica, Regente do Coral da UFMA), nas dependências do Memorial Cristo Rei.

Revisão: Carol Veloso

Lugar: Cidade Universitária
Fonte: Anna Caroline Guimarães – Ascom/UFMA
Notícia alterada em: 10/05/2012 11h31





Prova de amor!

14 05 2012





Func abre inscrições para monitores da 4ª Feira do Livro de São Luís

4 10 2010

Já estão abertas as inscrições para estudantes universitários que desejem participar da 4ª Feira do Livro de São Luís como monitores. O evento vai acontecer entre os dias 12 e 21 de novembro, na Praça Maria Aragão, e funcionará das 16h às 22h.

Os monitores serão responsáveis pela orientação e acompanhamento das escolas públicas e privadas que pré-agendarem a visitação à Feira.

Para participar, os interessados devem enviar uma mensagem contendo nome completo, curso, telefone e horário disponível para os e-mails feiradolivroslz@gmail.com ou ericaabreu.func@gmail.com. Ao final da feira, cada monitor receberá certificado com a carga horária de participação no evento.

A Feira – Em sua quarta edição, a Feira do Livro de São Luís (Felis) foi criada pela Lei 4.449 de 11 de janeiro de 2005. Norteada pelo conceito “Mirantes de São Luís: a Leitura do Mundo”, ela traz para 2010 o tema: “O Livro é Guia e Instrumento da Sabedoria”, criado pelo próprio patrono, o escritor e roteirista José Louzeiro.

Este ano, a Feira terá 18 espaços com programação e a estimativa de público é de 250 mil pessoas, entre estudantes, educadores, universitários e público em geral.





Feira do Livro – 2010

4 10 2010

IV Feira do Livro de São Luís
Dias 12 a 21 de novembro
Onde: Praça Maria Aragão

Conceito-Tema 2010:
“Mirantes de São Luís: A Leitura do Mundo”

Criada através de Lei Municipal nº 4.449 de 11 de janeiro de 2005, porém, a primeira edição da Feira só veio acontecer em outubro de 2007.Norteada pelo conceito “Mirantes de São Luís: a Leitura do Mundo”, já foram homenageados como patrono: Josué Montello, Arthur Azevedo, Ferreira Gullar e, para este ano, a escolha foi o escritor e roteirista José Louzeiro.

A Feira do Livro de São Luís integra o Programa de Memória, Documentação e Educação Patrimonial da Fundação Municipal de Cultura.O objetivo do evento é promover a democratização do acesso ao livro e à leitura, fomentando os processos de criação e produção literária, assim como estimular a cadeia mediadora da leitura.

A Feira é uma grande vitrine para dar visibilidade e valorização à diversidade cultural maranhense e brasileira, e veio consagrar a vocação natural de São Luís para a literatura e a poesia, gerando ocupação e renda para centenas de pessoas que formam as cadeias produtivas envolvidas na realização do evento.

Com uma programação que vai desde lançamentos de livros com escritores regionais, estaduais e nacionais, a Feira ainda conta com palestras, saraus literários, exibição de vídeos, espetáculos teatrais e apresentações de shows musicais e grupos folclóricos. Também são oferecidas oficinas de produção de textos literários, ilustração, quadrinhos, brinquedos populares e jogos artesanais.

Programação:
Auditório José Louzeiro
Auditório 2
Café Literário
Casado Escritor
Casa da Juventude
Casa do Professor
Programação Infantil
Cineclube Literário
Espaço Biblioteca Municipal José Sarney
ainda está sendo definida
(volte depois)

PATRONO DA 4ª EDIÇÃO DA FEIRA DO LIVRO
José Louzeiro
Poeta e roteirista
homenageado

Informações para participar como atração:
Para participar os autores, palestrantes, artistas, universidades, instituições culturais e grupos artísticos interessados em apresentar trabalhos, fazer lançamentos, proferir palestras, apresentar jogos lúdicos, performances e outros tipos de atividades, devem apresentar à Coordenação Executiva da Feira as propostas, compostas de justificativa, objetivos e metodologia. A título de sugestão, o proponente poderá ainda indicar a data de sua atividade, assim como especificar as condições técnicas para que a mesma possa ocorrer.

No caso de editoras e livreiros, os interessados deverão informar na proposta a metragem que desejam utilizar para uso de estantes (a partir da medida padrão de 15 m²), podendo ser multiplicada. Neste caso, o valor definitivo de cada estande será calculado a partir da área utilizada. Já, os custos de montagem dos estandes alocados ficarão sob a responsabilidade da FUNC.

As propostas devem ser encaminhadas até o dia 15 de agosto para a sede da Fundação, no endereço: Rua Isaac Martins, Centro/ São Luís – MA/ CEP: 65010-690 ou para o e-mail: 4feiradolivro@gmail.com

Feira do Livro é Lei:
A Feira – Criada pela Lei 4.449 de 11 de janeiro de 2005, a primeira edição da Feira só veio acontecer em outubro de 2007. Norteada pelo conceito “Mirantes de São Luís: a Leitura do Mundo”, já foram homenageados como patrono: Josué Montello, Arthur Azevedo, Ferreira Gullar e, para este ano, a escolha foi o escritor e roteirista José Louzeiro. O nome de Louzeiro foi sugerido pelos parceiros, sendo referendado pelos imortais da AML.

A estimativa de público das edições anteriores:
220 mil pessoas
(estudantes, educadores, universitários e público em geral)

Movimentação financeira:
R$ 3 milhões de reais

Patrono da 4ª Feira do Livro:
Escritor José Louzeiro

Site da Feira do Livro:
http://www.feiradolivrodesaoluis.com.br

Realização:
Fundação Municipal de Cultura (Func)
Secretaria Municipal de Educação (Semed)
Associação de Livreiros do Maranhão (Alem)
Academia Maranhense de Letras
Universidade Federal do Maranhão (Ufma)
Serviço Social do Comércio (Sesc)